» Notícias
DESASTRE
Vítima de Brumadinho morreu um dia após comemorar aniversário de 35 anos
janeiro 26, 2019
Marcelle Porto Cangussu, médica da Vale e primeira vítima identificada no rompimento da barragem de Brumadinho
Foto: Arquivo de família

‘Ela morreu feliz’, diz a mãe de Marcelle Porto Cangussu, médica da Vale que estava em horário de trabalho durante o rompimento da barragem.

BRUMADINHO (MG) — Primeira vítima identificada no rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão , em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, Marcelle Porto Cangussu, de 35 anos, era médica com especialização em Medicina do Trabalho e trabalhava há cerca de cinco anos na Vale. O corpo foi reconhecido através das impressões digitais — até agora, outras oito vítimas também foram identificadas. Única profissional da área no local, Marcelle estava em horário de almoço, no próprio lugar onde dava expediente, quando a tragédia aconteceu.

Mirelle Porto, mãe da vítima, relatou ao GLOBO que, na noite anterior ao rompimento da barragem, a família comemorou o aniversário de Marcelle, que completou 35 anos na última quinta-feira.

— No dia 24 de janeiro, ficamos com ela até meia-noite. No dia seguinte, às 7h30m, ela já estava no trabalho. A ideia era continuar as comemorações pelo aniversário com os amigos dela na noite de sexta-feira (25) — contou.

— Minha filha era agraciada em todos os sentidos. Orgulhava-se demais do trabalho, desdobrava-se em horários e plantões longos. Às vezes, entrava às 7h e saía às 20h. Era uma pessoa brilhante. Passou em terceiro lugar no vestibular da UFMG, onde cursou a faculdade. Morreu feliz, com certeza, trabalhando no que sempre desejou.

Larissa Porto, irmã de Marcelle, ressaltou que a maior preocupação da família se relacionava com o fato de ela dirigir diariamente cerca de 25 quilômetros para ir ao local de trabalho, já que morava em Belo Horizonte.

— Até onde sei, ela nunca demonstrou se preocupar com insegurança no trabalho. Nossa família se preocupava, sim, com o fato de ela pegar a estrada para ir para lá, mas nunca sobre estar trabalhando no local com medo de rompimento — ressaltou. — Ela era muito linda e cheia de vida, além de paixonada por medicina e por seu trabalho.

FONTE: PORTAL O GLOBO